Na peixaria

Olá!

Temos um novo vídeo no nosso canal: Na peixaria.

Um ótimo dia para todos! 🙂

Estar com a cabeça nas nuvens

Cebeça nas nuvens

Olá!
Você conhece a expressão idiomática “estar com a cabeça nas nuvens”?
Esta expressão popular significa “estar desatento/a” ou “estar fora da realidade”.
Exemplo: Aquela moça não presta atenção em nada. Está sempre com a cabeça nas nuvens.
Um ótimo dia a todos! 🙂

No açougue

Olá!

Você sabe se comunicar no açougue?

Não? Então, assista ao nosso vídeo.

Inscreva-se no nosso canal! http://www.youtube.com/idiomabrasil

Um ótimo dia a todos e obrigada por seguir Idioma Brasil. 🙂

Cair do cavalo

Cair do cavalo

“Cair do cavalo” é uma expressão popular que significa não ser bem sucedido em alguma atividade, quando se tinha certeza de bons resultados. A expressão pode ser usada como sinônimo de “frustrar-se”, “decepcionar-se”.

No sentido literal, a expressão significa levar uma grande queda de cima do animal. No sentido figurado, quer dizer levar um tombo na vida, quando algo importante dá errado e não se concretiza.

Exemplos:

Paulo comprou vários imóveis para investimento, mas caiu do cavalo. Os imóveis se desvalorizaram.

Marina trabalhou muito para ter uma promoção em seu trabalho, mas caiu do cavalo. Seu chefe não a promoveu.

Muito obrigada pela visita.

Tamara Krzonkalla 🙂

Números – Parte 2

Olá!

Assistam a mais um vídeo no nosso canal do Youtube: Português ao Vivo -Números – Parte 2.

Inscrevam-se para receber notificações das próximas publicações: http://www.youtube.com/idiomabrasil

Obrigada pela visita! 🙂

Tamara Krzonkalla

 

Povo brasileiro

Isto é Brasil - Povo brasileiro

Que tal conhecer um pouco do povo brasileiro através da poesia?

“Essa linda mestiçagem
A cultura tão plural
Colorido festival
Como é linda cada imagem
O Brasil pede passagem
Com seu povo tão guerreiro
Pra mostrar ao mundo inteiro
Sua humana substância
E também sua importância
Viva o Povo Brasileiro

Viva o samba e o baião
Viva a moda de viola
Viva o nosso show de bola
Viva o Tom e o Gonzagão
Viva a praia e o sertão
Viva o pulso do pandeiro
Viva a verve e o violeiro
Viva nossa fauna e flora
Viva meu Brasil de agora
Viva o Povo Brasileiro

Um país tão diferente
Tantos povos tantas raças
Toda força dessas massas
Grande povo inteligente
Tem cordel e tem repente
Tem batuques no terreiro
Pro futuro é passageiro
Carimbou sua passagem
Embarcou nessa viagem
Viva o Povo Brasileiro

Suas cinco regiões
Com é multicultural
Tem poesia é musical
Belo em todos rincões
Litorais lindos sertões
No Nordeste tem vaqueiro
E um gaúcho cavaleiro
Pantanal tem seu peão
Comitiva em profusão
Viva o Povo Brasileiro

Tanta fé com sincretismo
Rezas, curas e os mitos
Vão benzer solenes ritos
As mandingas misticismo
Candomblé cristianismo
Tem ogã e tem romeiro
O rezar tão costumeiro
Brasileiro é muita fé
É benzido e com axé
Viva o Povo Brasileiro

Patuás aos pés da cruz
Um benzer e baixar santo
Rezas fortes com acalanto
No terreiro que seduz
Oxalá e tem Jesus
Um Tupã de índio guerreiro
Um Brasil sopro primeiro
Da raiz da identidade
Brasileiro com verdade
Viva o Povo Brasileiro

Irmãos filhos de Tupã
As malocas numa taba
Tem pajé que não se acaba
A fitar novo amanhã
Irmão índio é um titã
Do Brasil foi pioneiro
Resistiu ao estrangeiro
Preservou toda raiz
De primaz toda matriz
Viva o Povo Brasileiro

Irmão negro e africano
Sob a força de um grilhão
Quem forjou na servidão
E plasmou em todo plano
Nosso painel humano
De perfil alvissareiro
Com seu braço de obreiro
Construiu nossa grandeza
Ainda esteio da riqueza
Viva o Povo Brasileiro

Os demais povos do mundo
Que vieram aqui somar
Construir nos transformar
No sentido mais profundo
Irmanados indo a fundo
Nosso irmão por companheiro
Meu Brasil ver timoneiro
Navegando rumo à paz
Pois seu povo é tão capaz
Viva o Povo Brasileiro

Paulo Freire educador
Grande Josué de Castro
Niemeyer nosso lastro
Villa Lobos com valor
O pensar que tem Millor
Vou louvar Darcy Ribeiro
Seu pensar nosso luzeiro
Dando luz pra ver a meta
Do Brasil brotei poeta
Viva o Povo Brasileiro.”

O autor deste poema se chama Allan Sales. Ele é músico, compositor e poeta. Nasceu em Crato, no Ceará. Dedica-se à música popular brasileira e à literatura de cordel.

Foto: http://revistaescola.abril.com.br/

Muito obrigada pela visita. 🙂

Tamara Krzonkalla

 

Tempos verbais pouco utilizados

Capa - verbos em desuso

Podemos observar na linguagem cotidiana que alguns tempos verbais são pouco utilizados. É o caso do futuro do presente simples do indicativo (falarei, beberei, partirei) e do pretérito mais-que-perfeito simples do indicativo (falara, bebera, partira).

O futuro do presente simples do indicativo é substituído pela locução verbal formada pelo verbo IR no presente do indicativo + infinitivo do verbo principal.

Exemplos:

1- Eu falarei com você amanhã. Eu vou falar com você amanhã.

2- Ele comerá todo o bolo. Ele vai comer todo o bolo.

3- Nós partiremos às dez horas. Nós vamos partir às dez horas.

O pretérito mais-que-perfeito simples do indicativo é, normalmente, substituído pelo pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo.

Exemplos:

1- Ele acordara muito tarde naquele dia. Ele tinha acordado muito tarde naquele dia.

2- Eu não entendera todas as questões. Eu não tinha entendido todas as questões.

3- Ele partira muito aborrecido da festa. Ele tinha partido muito aborrecido da festa.

Muito obrigada pela visita. 🙂

Tamara Krzonkalla

Cara de pau

Cara de pau

“Cara de pau” é uma expressão que designa uma pessoa sem escrúpulos, atrevida. Normalmente, esta pessoa tem a capacidade de contar mentiras ou cometer atos ilícitos mantendo sempre no rosto uma expressão tranquila.

Ex: Ele é um cara de pau! Veio à minha festa depois de falar coisas horríveis sobre mim.

Também podemos dizer: “ter a cara de pau de…”.

Ex: Ele teve a cara de pau de vir à minha festa depois de falar coisas horríveis sobre mim.

Muito obrigada pela visita. 🙂

Tamara Krzonkalla

 

Portuguese for Foreigners

Portuguese for Foreigners